segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Por quê estudar Teologia? Para quê?


Teologia vem do grego e literalmente quer dizer "Estudo de Deus". Acontece que não podemos estudar algo ou alguém que não pode ser objeto de nosso alcance físico. Na biologia estudamos a vida (como nascemos e nos constituímos) e, portanto, o objeto está ao nosso alcance; na citologia (estudo das células), que é um ramo da biologia, temos o objeto ao nosso alcance; na zoologia, o estudo recai sobre os animais e, novamente, o objeto do estudo está ao nosso alcance.

Na Teologia isso não acontece. Por isso, seria mais apropriado dizer que na Teologia estudamos tudo que diz respeito a Deus, que nos chega ao conhecimento através das Sagradas Escrituras, da Bíblia, no caso do cristianismo. Para nós, a Bíblia Sagrada encerra a história da Revelação Divina (Deus se revelando a um povo em determinado período histórico, culminando com a encarnação do Verbo de Deus feito homem). Portanto, na Teologia estudamos a Bíblia Sagrada e suas implicações na vida de fé, pois este é um objeto que está ao nosso alcance. De forma que estudar Teologia é sempre estudar a Bíblia. Logo quem está fazendo um estudo bíblico está, em última análise, fazendo um estudo teológico.

Mas, no estudo da Teologia está implícito um elemento que lhe é peculiar: a fé. A fé em um Deus que não vemos, mas que temos certeza de sua existência. Essa certeza nos vem da história da Revelação Divina. 

Muitas pessoas afirmam categoricamente que creem em Deus, mesmo sem ter estudado com profundidade a Bíblia e, em muitos casos, sem nada terem estudado. De onde nasce esta fé? Só conseguiremos uma resposta satisfatória a esta pergunta estudando a Teologia. É esse estudo que nos permitirá entender um pouco melhor o fenômeno da FÉ.

Por que estudar Teologia? Para quê?  Ora, para quem tem fé em Deus, ou seja, na existência de Deus, entender a origem desta fé nos parece algo de suma importância. Então, eu estudo a Teologia para entender como e por que adquiri esta Fé em Deus. 

E ao estudarmos Teologia vamos adquirindo conhecimento sobre a Bíblia e sobre a história de um povo que recebeu a Revelação Divina sobre a existência de um Deus único, criador de todas as coisas que existem no universo. E muita coisa vai fazendo sentido. 

Para estudar Teologia, sendo cristão católico, nos parece de suma importância primeiro conhecer Jesus Cristo e sua história. Podemos fazer isso através dos Evangelhos que estão contidos no Segundo Testamento. 

Mas, com sua longa experiência de evangelizador, Monsenhor Jonas Abib, em seu livro "A Bíblia no meu dia a dia", nos traz uma dica muito valiosa. Na verdade, ele traça um plano de leitura, começando pelo Segundo Testamento, intercalando com a oração dos Salmos, que fazem parte do Primeiro Testamento, como a melhor forma de estudo da Bíblia. E ele aconselha que o primeiro livro a ser estudado seja a 1ª Carta de São João, lembrando que estudar não é apenas fazer uma rápida leitura. Estudar exige um pouco mais de dedicação (ler e reler, anotando e buscando sanar eventuais dúvidas sobre o texto objeto de estudo).

Falamos acima sobre o primeiro livro a ser estudado. Mas a Bíblia não é um único livro? Não, e isso é muito importante sabermos: a Bíblia é na verdade uma biblioteca, composta por vários livros, de vários autores, em vários estilos e de várias épocas. Ao todo são 73 livros, sendo 46 do Primeiro Testamento e 27 do Segundo Testamento. Para os irmãos protestantes, o Primeiro Testamento tem 7 livros a menos, pois eles não aceitam alguns livros da Bíblia Católica como sendo divinamente inspirados. Veremos isso oportunamente em nossos estudos. Para o Novo Testamento não existe divergências.

Pois bem, então percebemos que não é possível ler e estudar a Bíblia como se fosse um único livro. E isso exige um método ou um plano de leitura. Então, com Monsenhor Jonas Abib, começaremos pela 1ª Carta de São João. E por quê? Porque João nos mostra de forma clara que Jesus prometeu a salvação a todo que n'Ele crer, que Deus é amor e nos ama incondicionalmente e quer que sejamos salvos e quer que nos amemos uns aos outros. João nos aponta um Deus que ama a justiça e quer que nós também sejamos justos. É com estas certezas que começaremos nosso estudo e estaremos mais preparados para ler, estudar e entender os Evangelhos.   

Seguiremos então o plano de estudo e leitura proposto por Monsenhor Jonas Abib, conforme a ordem abaixo:

Evangelho de São João; Evangelho de São Marcos; As pequenas Cartas de São Paulo: Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1º e 2º Tessalonicences; 1º e 2º Timóteo; Tito; Filêmon; Evangelho de São Lucas; Atos dos Apóstolos; Carta aos Romanos; Evangelho de São Mateus; 1ª e 2ª Carta aos Coríntios; Hebreus; Carta de São Tiago; 1ª e 2ª Carta de São Pedro; 2ª e 3ª Carta de São João; Carta de São Judas; Apocalipse.  

Depois de terminado o estudo do Segundo Testamento, ingressaremos no estudo do Primeiro, na seguinte ordem:

Genesis; Êxodo; Números; Josué; Juízes; 1º Samuel; 2º Samuel; 1º Reis; 2º Reis; Amós; Oseias; Isaías (1-39); Miqueias; Naum; Sofonias; Habacuc; Jeremias; Lamentações; Ezequiel; Abdias; Isaías (40-55); 1º Crônicas; 2º Crônicas; Esdras; Neemias; Ageu; Zacarias; Isaías (56-66); Malaquias; Joel; Jonas; Rute; Tobias; Judite; Éster; Eclesiástico; Cântico dos Cânticos; Jô; Eclesiastes; 1º Macabeus; 2º Macabeus; Baruc; Daniel; Sabedoria; Levítico; Deuteronômio.

Vale lembrar que, embora seguindo o plano proposto por Monsenhor Jonas Abib, não seguiremos em nosso estudo o seu livro, que é uma leitura indicada e preciosa, mas que se aproxima muito da Lectio Divina ou Leitura Orante da Bíblia. Nosso objetivo é outro. Isso não significa que não se deva ler ou estudar conforme a proposta de Monsenhor Jonas, apenas que nosso estudo será talvez mais amplo. 

Na próxima postagem, antes de adentrar em nossos estudos dos livros, faremos uma breve análise dos livros da Bíblia, de sua estrutura e divisão.

Grande e fraterno abraço!

Nenhum comentário:

Postar um comentário